terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Poema


E tínhamos o tempo em nossas mãos
E éramos a eternidade.

Hoje não sobram espaços
Nem clichês
Para sequer
Um adeus.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Das Ilusões

Fui sincero em todas as mentiras. Menti com afinco, te iludi com o mais legítimo desejo de te cingir naquela ilusão a que chamamos de amor.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Método de Loci

Recentemente assisti em um programa de televisão uma reportagem sobre técnica de memorização chamada Palácio da Memória (veja-se exemplo aqui). É também chamado "Método de Loci" (lugar em latim). O modo como se usa imagens espaciais relacionadas a situações ilógicas ou nonsenses me chamou tanto a atenção, que resolvi testá-la como técnica literária. 

A técnica principia por um brainstorm e é aplicada a situações narrativas, envolvendo descrições e desenvolvimentos de cenas, personagens, cenários, objetos e situações.Consiste em criar, a partir de um tema, tudo o que será desenvolvido na história, do começo ao fim. Naturalmente, como Literatura também é fruto de certo delicioso acaso (ou "inspiração", como chamam os puristas), o desenvolvimento do texto em palavras cumpre a criatividade natural da arte de narrar e da habilidade de juntar imagens coerentes do seu autor.

Pois bem. Seguindo o exemplo do diagrama "espinha de peixe" abaixo, do brainstorm, com setas apontando causas e efeitos de cada etapa, desenvolve-se os elementos do texto e suas possibilidades com as mesmas setas, em um planejamento primário da narrativa.  
O que sugiro pode ser percebido neste outro diagrama:

Em seguida, aplicaremos o Método de Loci ao contrário, selecionando todos os elementos elencados no diagrama espinha de peixe e somando-os a uma série de lugares não mais de nossa invenção, mas de nossa memória. Pessoas reais que usaremos de inspiração para as da narrativa; bem como cenários, situações, cenas de que fomos testemunha ou assistimos na televisão etc. 

Em breve produzirei um conto e exibirei aqui.   

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Microconto


Nesta vida, duvido cumprir metade do que digo que farei, prometa, repita (a outra metade, seguirei prometendo, é meu quinhão de honestidade)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Pequeno Dicionário Ilustrado

De uma criação do OuLiPo, criei minha sequência. Eis a explicação da fórmula:

Abaixo de cada estrofe, a chave dos versos, e cada verso ilustra uma parte da sequência. Note-se que o silabário reproduz o som das sílabas em português, mesmo quando é feito de palavras estrangeiras (a criatividade é o limite do poema, ora!). Estes são de minha autoria:

Grande não dos desgastados
Que em gritos caprinos se revoltam
Sirenes náufragas na estrada
Chamam de companheira a porta.

Chave do poema: Bah! Béé Biiii Bobu

Neste lugar eu me encontro
Entre conectivos e conectivos
Qual um santo Francisco
Vivo entre o que digo e não digo.

Chave do poema: Cá Que Quico Cu

Mantinha-se tão pessimista
Ao mínimo “quero atenção”
Que até cão mirou a vista
A tão grande trapalhão.

Chave do poema: Dá DaDdy Dó Dub

E assim por diante até o Zá zé zi zo zu.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Poema

Quero um poema mais simples
E os versos de amor mais singelos
Saber o verbo amar
Amar desamar reamar
E escrever teu nome enquanto se ama.

Onde encontrar o mapa das paixões
O manual de versos e suas lições
A rima o estilo a razão pairando sobre a emoção insana?

E tua voz me diz: "me ama"
E nada mais me importa 
Talento tragédia tonantes
No entremeio no entre-ato nas palavras clichês
"Amar" sobretudo, sobre todas elas.

Amar teu corpo amar-te te amar
Desperdiçar o papel jamais
Lençol de palavras côncavas
No espetáculo na cópula na alcova
De mil gestos sem sons a mais
Que cabem no silêncio de um "ai".

Sinos distantes bocas coladas
Balir de cabras cimos dos montes
Retirar-se do sol vermelho grito

O amor dispensando uma fama mais que um afago
O amor sentido na carne mais que no espírito
Enquanto a alma, leve, pesa mais que o corpo na cama.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Altered Family's Book (5)

Não havia muito o que acrescentar. Marcela era minha prima, e esses lábios, comprimidos por dentes comparsas, avançavam contra mim e me incriminavam.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Dos Tempos Dados

Me dê um tempo pra falar, uma hora, um minuto, um segundo; 
um espaço, um lugar, um canto, uma quina, amor; tínhamos mais que um twitter pra

Compartilhe