sábado, 7 de dezembro de 2013

Conto Politicamente Incorreto (CPI): "Negrinho"

Carlos e Sônia viram uma reportagem na televisão a respeito de Negrinho, que havia sido detido pela Polícia, depois de assaltar uma idosa na rua. O menino tinha 12 anos e um histórico de pequenos furtos no centro da Cidade, algumas passagens pela Delegacia de Menores, além de violência contra outros infratores de sua idade, inclusive com arma branca. O pai foi preso por homicídio. A mãe morreu de AIDS, depois de uma vida entregue à prostituição. Declarava a Negrinho que ele foi "chocado"de um desses homens anônimos. 

Quando Carlos e Sônia conheceram o menino, ficaram com muita pena dele e resolveram fazer algo para ajudá-lo. Acreditavam na redenção das pessoas, quando as entregavam a um ambiente de muito amor e compreensão. Depois de muito conversar, resolveram adotar Negrinho. Os parentes contestaram e tentaram dissuadi-los da ideia.

— Esse menino é carne estragada, não tem mais solução.
— Se fizerem uma besteira dessas, ele vai assaltar a casa de vocês na primeira oportunidade.

O casal não aceitava os preconceitos da família. Os amigos fizeram coro aos parentes, mas o mundo parecido virado de pernas para o ar nos valores, não entrava na consciência ideológica dos dois.

Procuraram a Justiça e declararam sua vontade de adotar a criança. Permitiram a visita ao menino na Instituição para Menores Infratores, conheceram Negrinho pessoalmente e lhe deixaram à par de suas intenções. Negrinho aceitou a ideia e quis ir com eles, quando pudesse sair dali.  Muitos trâmites depois, Carlos e Sônia foram buscar Negrinho e o levaram para casa.

Dois dias morando naquele lugar, Negrinho partiu, levando consigo tudo o que podia carregar do casal que o chamava de filho.

Moral da história: “Do ponto de vista de um ingrato, uma má ação é sinal de gratidão...”

Veja a explicação da técnica aqui.

sábado, 9 de novembro de 2013

Leitura Dramática: Diálogo de Todos os Dias (Carlos Drummond de Andrade)

Leitura Dramática do ALiPo (Ateliê de Arte e Literatura Potencial)na Fliporto, novembro de 2011 na ocasião do lançamento do livro das atividades de pesquisa nas Faculdades de Escada (FAESC), com Hugo "Leometáfora" Leonardo.

"Som para Despertar"

video

Estudo para a série "Inserções Urbanas", projeto audiovisual de manipulações artísticas

terça-feira, 24 de setembro de 2013

La Disparition (Georges Perec)

Leitura do primeiro parágrafo do romance La Disparition (Georges Perec), escrito em 1969 e escrito na forma de um lipograma em "e". Tradução direta minha.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A Ratazana e As Bagas (monovocalismo)

AS BAGAS DA RATAZANA (Adilson Jardim)
(monovocalismo a partir da fábula de Esopo A Raposa e As Uvas)


A ratazana, lázara, pára na latada para atalhar as bagas altas.
— Ah, bagas maras! — Falava a rata — Tanta fama cala a gana!
Cantava a ratazana!, ah!, saltava para apanhar as bagas. Saltava, galgava, atacava, bradava, mas nada. As bagas, afastadas, caladas, altas altas... A ratazana, brava, cansada, matava as bagas na cara, para afastar as patas da galha:
— Rama fanada, lá cansará, já mal-tratada!

Poema: Os olhos feito neblina (Adilson Jardim)

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Rosa Silvestre (poema de 140 toques)


A cada dia, 
rosa silvestre 
aquém dos olhos 
nova flor 
despertada 
a cada dia 
Onde o amor 
flor perdida 
a cada dia 
desabrochará em mim?


(Adilson Jardim)

Compartilhe