domingo, 3 de janeiro de 2016

TODA DE LUZ (poema)

As madrugadas mornas e silenciosas
com seus sortilégios à espera da manhã
Acendiam de todos os lados quando ela despertava
de uma janela toda à direita. E pássaros de uma morada
sem prestígio saíam do esboço e davam lume ao céu
que era nada em comparação com as grandes estações.
Vai ver a ideia já andava enamorada.

Psicotécnica literária: "alexitimia"

Inspiração para desenvolver personagem com a doença abaixo descrita no site da BBC:

O homem que não consegue sentir emoções

Compartilhe