sexta-feira, 10 de março de 2017

Método: "Lawfare literário"

A partir do conceito mais restrito para "Lawfare" (ou guerra jurídica): "empregado principalmente no sentido de uso indevido de instrumentos jurídicos para fins de perseguição política, destruição de imagem pública e inabilitação de um adversário político" (Wikipédia), a ideia é aplicá-la na construção do enredo de histórias, apropriando-se de argumentos para desestabilizar a crença do leitor no caráter de uma personagem na história a ser desenvolvida.

Como meios práticos, pode-se substituir alguns elementos jurídicos do lawfare pelos seguintes esquemas narrativos:

  • Manipulação do sistema legal, com aparência de legalidade, para fins políticos por uma personagem faz menção a gente condenada pela lei ou pela sociedade, que levava um tipo de vida parecida com a da personagem cuja imagem pública ela quer sujar, apenas pela associação entre ambas; 
  • Utilização de processos judiciais sem qualquer mérito por suspeita-se da personagem por coisas que são mero produto da imaginação de todos, não havendo nada comprovado na história, apenas relatos incongruentes;
  • Abuso do direito para danificar e deslegitimar um adversário por distorce-se as verdades e mentiras, tornando os discursos da personagem palavras ridículas, sem créditos;
  • Promoção de ações judiciais para descredibilizar o oponente por faz-se intensas campanhas positivas que deixariam de fora a personagem, uma vez que ela não se enquadraria no tipo idealizado de pessoas descritas nas campanhas;
  • Tentativa de influenciar opinião pública: utilização da lei para obter publicidade negativa por influenciar o máximo de personagens ao redor para excluir a personagem perseguida de todas as rodas sociais;
  • Crítica àqueles que usam o direito internacional e os processos judiciais para fazer reivindicações contra o Estado por promoção de descrédito de amigos da personagem, para mostrar "com quem ela anda";
  • Utilização do direito como forma de constranger e punir o adversário por mostrar a todos que a personagem se enquadra em diversos tipos de maus atos, por ter semelhanças de qualquer tipo com más pessoas citadas, mesmo que a própria aparência e maneira de andar;
  • Bloqueio e retaliação das tentativas dos atores políticos de fazer uso de procedimentos disponíveis e normas legais para defender seus direitos por ataque e êxito em mostrar erros e delitos pequenos ou grandes dos amigos da personagem;
  • Acusação das ações dos inimigos como imorais e ilegais, com o fim de frustrar objetivos contrários por transforma-se cada ação e palavra da personagem em palavras e ações imorais diante da perspectiva dos outros.

Compartilhe